TCA transforma mineradoras em ecologicamente corretas

Mineradoras e pedreiras possuem papel fundamental no desenvolvimento urbano, principalmente em malhas rodoviárias, fornecendo os materiais necessários para construção civil, indústria e pavimentação ao entregar brita e boa parte do material usado vem de pedreiras e a pergunta é: é possível a extração mineral ser considerada sustentável ou ambientalmente correta? Sim.

Essas atividades podem causar certo impacto ambiental quando realizada de maneira incorreta. Para garantir que estas operações estejam dentro das leis, com ações sustentáveis, o Termo de Compromisso Ambiental (TCA) se faz necessário.

Para Dhyan de Amorim, gestor da unidade de produção da De Amorim Mineradora, este documento – que deve ser assinado entre o órgão ambiental competente e a mineradora – visa garantir que as atividades desenvolvidas nestas pedreiras aconteçam de forma sustentável e não causem danos ao meio ambiente.

“É um setor muito regulado e a relação da mineração de grande porte com a comunidade e o meio ambiente está na vanguarda justamente por esta relação com órgãos ambientais. O fato de muitas mineradoras exercerem suas atividades em áreas geralmente mais distantes de centros urbanos, não significa que a preocupação com a questão ambiental seja menor”.

Mineração responsável
A melhor forma para minimizar possíveis problemas é a aplicação de novas tecnologias, e inovação nos protocolos, para que as operações não sejam menos nocivas possíveis ao meio ambiente.

A tecnologia de ponta, reduz a emissão de gases poluentes que seria impossível com maquinários mais antigos, sendo mais eficientes até mesmo no consumo de combustíveis.

“Toda a estrutura usada neste processo de mineração precisa ser moderna. A De Amorim, por exemplo, investiu em uma nova usina de asfalto mais eficiente, com o mínimo de geração de resíduos na pedreira. O investimento atende todos os requisitos do TCA e aproveita ao máximo o material extraído.  As rochas passam por inúmeros processos e tudo é utilizado. O resultado são pedras de diversos tamanhos, como a pedra brita usada como base da pavimentação, até grãos extrafinos de feldspato que atendem a indústria cerâmica” enumera Dhyan.

Feldspato na vegetação
Quem passa por áreas de mineração pode encontrar partículas do que é extraído espalhadas pela vegetação no entorno, deixando a vegetação com aparência de suja. Na verdade, esse composto de minerais fazem bem para toda a área verde por ser rica em feldspato, utilizado na agricultura como fonte de potássio:

“Não é prejudicial, muito pelo contrário. Este material é usado na indústria de fertilizantes que cria produtos eficazes para o crescimento de plantas. O que fica impregnado nas árvores e demais vegetações não é prejudicial pela alta concentração de feldspato” explica Dhyan.

Atenção aos colaboradores
O treinamento dos funcionários em questões ambientais também está contemplada no TCA, que obrigada mineradoras a treinarem seus colaboradores:

“Para garantir que essas atividades sejam desempenhadas de forma responsável, os colaboradores precisam ter conhecimento do que fazer em suas rotinas para evitar danos irreversíveis e garantir, inclusive, a segurança de quem trabalha diariamente”, completa Dhyan.

Veja também

13 de março de 2024
Condomínios e loteamentos asfaltados são valorizados e incorporadoras percebem o movimento
11 de março de 2024
2024 é um bom momento para investir em terrenos e imóveis em Curitiba
8 de março de 2024
PPR inédito, homenagens, emoção e alegria: como foi a noite histórica do Grupo De Amorim